O fracasso e o sucesso

Autor: Reginah Araújo

É possível tirar proveito do fracasso? Durante 25 anos, Napoleon Hill entrevistou 16 mil pessoas, sendo que mil delas eram milionárias. Selecionou 500 que, além de terem dinheiro, tinham boa saúde, alegria, prestígio etc. Contribuíram com esse trabalho várias personalidades, incluindo os ex-presidentes Henry Ford, Rockefeller, Thomas A. Edison, Woodrow Wilson, Andrew Carnegie e Theodore Roosevelt.

Hill passou, então, a estudar profundamente as características desses indivíduos e mostrou a diferença entre um indivíduo bem-sucedido e aquele que trabalha, batalha e não consegue o que quer na vida. Ele criou o know-how do sucesso e a primeira conclusão que chegou – e uma das principais – é que a diferença entre quem atinge o sucesso e quem não atinge é muito pequena. O sucesso pode ser medido em centímetros. Um profissional que ganha três vezes mais que um colega, não tem o triplo de inteligência do outro.

O que é o fracasso? Cada fracasso é uma benção disfarçada, pois nos dá sempre uma lição que de outra maneira talvez nunca aprendêssemos. Quase todos os fracassos são apenas derrotas temporárias. Algumas pessoas ilustres e famosas, antes de chegar ao topo, passaram por decepções e tiveram resiliência para conseguir driblar as adversidades e mostrar ao mundo que não existem pessoas fracassadas e, sim, pessoas que desistiram. Veja alguns exemplos:

Abraham Lincoln foi para a guerra como capitão e voltou como soldado raso. Faliu duas vezes, perdeu sua casa, sua namorada faleceu, teve um colapso nervoso (tudo isso até os 36 anos), concorreu a cinco eleições e perdeu todas. Somente aos 51 anos de idade se tornou presidente dos Estados Unidos.

Albert Einstein só começou a falar aos quatro anos de idade, seus pais e professores achavam que ele tinha alguma limitação mental. Chegou a ser expulso da escola e recusado pela Escola Politécnica de Zurique.

Akio Morita viu seu primeiro produto ser um fracasso de vendas. Isso não o desanimou, e ele e seus sócios continuaram criando outros produtos que tornaram a Sony uma das empresas mais respeitadas do mundo.

Charlie Chaplin foi considerado sem sentido pelos estúdios de Hollywood e teve suas primeiras tentativas recusadas, pois acharam que ninguém iria pagar para assistir aos seus filmes.

Elvis Presley ouviu, em 1954, de um gerente da casa onde havia acabado de se apresentar que era melhor ele voltar para sua cidade e continuar a ser caminhoneiro, sua profissão anterior.

Harrison Ford ouviu em seu primeiro filme que ele não possuía o necessário para ser uma estrela do cinema. Indiana Jones manda lembranças.

Isaac Newton nunca foi um bom aluno na escola. Isso o levou a administrar a fazenda da família, mas ele foi tão ruim, que seu tio teve de interceder, obrigando-o a ir estudar em Cambridge, onde deslanchou.

Lee Iacocca foi demitido da Ford quando já era presidente de uma empresa que lucrava 2 bilhões de dólares. O motivo: o embate com o neto do velho Ford. Eles não se davam, então Lee foi parar na Chrysler, onde foi o principal personagem da reestruturação da companhia que vivia um momento difícil, utilizando várias ideias que haviam sido apresentadas à Ford.

Michael Jordan foi cortado do time de basquete da escola quando garoto.

Oprah Winfrey foi afastada do noticiário noturno onde trabalhava como repórter, pois se envolvia emocionalmente com as matérias que fazia. Ofereceram a ela uma participação em um programa durante o dia, ela aceitou magoada até que o programa “People Are Talking” se tornou um sucesso de audiência.

Seichiro Honda não conseguiu emprego na Toyota após passar por entrevista.

Steve Jobs, embora já tivesse alcançado sucesso, foi demitido da sua própria empresa e só depois conseguiu realizar seus maiores feitos: criou a NeXT, levantou a Pixar e desenvolveu iPods, iPhones e iPads.

Stephen King teve seu primeiro livro, “Carrie, a estranha”, rejeitado por 30 editoras. Depois disso, ele o jogou no lixo. Sua mulher o recuperou e insistiu que ele continuasse enviando. Até que ele conseguiu e abriu portas para obras como “O Iluminado”.

The Beatles escutaram de uma gravadora que sua música não agradavam e que as canções com guitarra estavam em declínio.

Walt Disney pulou de emprego e emprego como cartunista de jornal, chegou a ser demitido de um por ser considerado sem ideias nem imaginação. Seu primeiro estúdio faliu e foi somente com o segundo (que levava seu nome) que ele deslanchou.

Winston Churchill reprovou a 6ª série, era um dos caras mais odiados do parlamento no começo da carreira e perdeu várias eleições, mesmo depois de relativo sucesso.